Beber café é uma tradição globalmente difundida e capaz de aproximar pessoas em diversas ocasiões e lugares. Vancouver é uma cidade que acolhe indivíduos de todas as partes do globo, quer sejam turistas, imigrantes, ou estudantes internacionais. Reunir-se para desfrutar de um “gole de café” e conhecer novos amigos ou mesmo discutir negócios tornou-se um “costume universal” entre as cafeterias em British Columbia. Embora Vancouverities sejam loucos por saúde, muitos deles ainda tem o habito de consumir café em excesso. No post anterior eu brevemente mencionei como a cafeína pode desencadear o stress no corpo humano, e consequentemente, afetar nosso nível energético. No post de hoje, eu vou explicar a fisiologia do estresse e alertá-lo de como algumas escolhas, incluindo beber cafeína em excesso, podem contribuir negativamente com sintomas relacionados ao estresse.

O corpo humano é uma máquina maravilhosa que trabalha para manter a homeostase (equilíbrio). Por exemplo, uma dieta desbalanceada e ingestão em excesso de cafeína, proteína animal e álcool pode reduzir o pH sanguíneo, aumentando o risco de inflamações e surgimento de osteoporose. Para se ter uma ideia, quando o pH sanguíneo é baixo, seu corpo ativa certos mecanismos em determinados órgãos para neutralizar esta acidez, caso contrário, nossa saúde seria comprometida pelo surgimento de doenças. Semelhantemente, a resposta ao estresse é outro mecanismo inteligente que o corpo humano tem que nos ajuda a lidar com as adversidades do quotidiano.

Somos dotados de diversos mecanismos, dentre eles, as glândulas suprarrenais que nos ajudam a lidar com o estresse. Vou explicar melhor. De volta aos nossos antepassados, imagine você andando pela selva com estômago vazio, tentando conseguir algo para comer e, de repente, um leão gigantesco surge em sua direção. O que você faria? lutaria ou correria? Ora, seria você capaz de correr ou lutar sem glicose disponível no sangue? Lembre-se quão difícil deveria ser para nossos ancestrais obter o alimento, encontrar e correr atrás da presa…Não haviam Starbukcs na vizinhança ou supermercados 24 horas com refeições prontas disponíveis. (risos).

E, é nesta hora que a fisiologia do estresse entra em cena. As glândulas suprarrenais são duas pequenas glândulas localizadas acima de nossos rins. Estas minúsculas glândulas, juntamente com outros hormônios secretam epinefrina (também conhecida como adrenalina), noradrenalina e cortisol. Quando uma ameaça exterior surge, tal como o leão para os nossos antepassados ou qualquer outra circunstância que se pareça com um leão em nossos dias atuais: preocupação interna, má nutrição, desidratação, exposição a produtos químicos tóxicos, pressão social, ou mesmo exercício extremo, epinefrina irá responder rapidamente a estes eventos estressantes, aumentando o seu ritmo cardíaco e mandando sangue para os músculos e cérebro. Em adição a isso, cortisol irá mobilizar reservas de glicose no fígado e músculos (glicogênio), fornecendo assim energia imediata através da mobilização deste glicogênio. Essa reserva e o que nos fornece energia durante a noite, mantendo nossas funções vitais (batimento cardíaco, respiração, entre outras) além de prover energia em situações de emergência tal como a do leão na floresta.

Você alguma vez já fez um exame de glicemia antes de uma “briga” por um lugar no estacionamento ou uma discussão com seu amado(a)? Certamente você teria que refaze-lo, pois o açúcar no sangue seria alterado desencadeado pelo estresse. Ou ainda, já teve a vontade de sair correndo antes de fazer um discurso em publico? Estes são exemplos de como situações de estresse podem alterar seu nível de açúcar no sangue, assim, nos fornecendo energia imediata através da mobilização de glicogênio.

Agora você pode estar pensando como somos afortunados por termos nascido com este incrível “aparelho” anatômico e fisiológico, certo? Eu diria que sim. No entanto, o problema hoje em dia é que estamos sobrecarregando nosso corpo de tal forma a ponto de não sermos capazes de dar conta de tantos “leões” em tempos modernos. Apesar de todos esses mecanismos surpreendentes, estamos excedendo sua capacidade de manter a homeostase (equilíbrio). Por conseguinte, os sintomas do estresse começam a se manifestar, tais como: baixa energia, dores de cabeça, dores de estômago, resfriados frequentes, infecções respiratórias e insônia. Além disso, o excesso de cortisol é também responsável por aquela gordurinha extra depositado na circunferência da barriga. Neste ponto, você pode estar convencido de que esse hormônio não é benéfico para você, porem Cortisol não é um vilão. Esse hormônio é secretado por uma razão. Na realidade, é uma hormônio anti-inflamatório além de estar envolvido no metabolismo de proteínas, carboidratos e gordura. A preocupação é como podemos mediar o stress para evitarmos o esgotamento das glândulas adrenais.

Como mencionei anteriormente, a cafeína em excesso pode elevar o nível de açúcar no sangue devido à liberação de cortisol. Ao invés de fornecer energia efetiva, a cafeína irá apenas estimular as glândulas suprarrenais a liberar tal hormônio. Agora você já sabe que a glicose armazenada acabará sendo liberada em sua corrente sanguínea, e nas duas horas seguintes você se sentirá cansado(a) novamente. Sem falar no fato de que terá a sensação da necessidade de uma segunda xícara de café (devido à rápida elevação e queda de glicose). Este sobe-desce no nível glicêmico é tal como uma montanha russa de açúcar no sangue, uma diversão perigosa que temos exposto ao nosso corpo.

Além disso, o excesso de cafeína pode desidratar suas células ao ativar os mecanismos de estresse mencionados anteriormente.

Você sabia que para cada xícara de café seria necessária a ingestão de 3 xícaras de água para balancear o nível de hidratação celular? Como nutricionista ortomolecular, recomendo sucos frescos com vegetais e maçã verde (baixo índice glicêmico) na parte da manhã para substituição do café. Os vegetais irão fornecer nutrientes que lhe darão vitalidade, energia efetiva e duradoura. Bebidas tônicas com ervas adaptogenas são também opções que ajudarão seu corpo a lidar com o estresse e retomar seu equilíbrio. Não se espante quando ver no centro de Vancouver um food truck mais natureba oferecendo bebidas adaptogenas.

Uma xícara de chá é uma ótima opção para saborear junto aos amigos em um Coffee Shop. Em Vancouver, uma cidade com cerca de 50% de orientais, você ira encontrar diversas opções. Particularmente, prefiro o chá Chai (uma deliciosa mistura de especiarias indianas e ervas aromáticas) .

Em adição a isso, A vitamina C tem um papel primordial para que nosso corpo sintetize o cortisol. Muitas vezes, uma dieta deficiente em alimentos com alto valor nutricional pode interferir negativamente com a síntese hormonal, afetando assim a maneira como seu organismo responderá ao stress. Alem da vitamina C estimular o fibroblasto (um tipo de célula) a produzir colágeno, também e uma vitamina importantíssima para a síntese de cortisol. Indivíduos que passaram por eventos estressantes e recorrentes tendem ao envelhecimento precoce, pois a vitamina C em seu corpo passa a ser deslocada para atender a demanda da síntese de cortisol ao invés de contribuir na produção de colágeno.

Agora você já sabe que os norte americanos tem o hábito de consumir cafeína em excesso e como ela pode impactar negativamente a nossa saúde. Nutrição entre outros aspectos, desempenha um papel importante em nossas vidas , especialmente, quando se trata de prevenir e lidar com o estresse. Aprender a fazer boas escolhas é a palavra chave para termos sucesso em um estilo de vida saudável, seja em British Columbia, ou em qualquer outra parte do globo.

Espero que tenham gostado do post de hoje, e tenham cuidado com os leões! 🙂

Bianca Salles
Bianca SallesNutricionista Orthomolecular
Bianca Salles é nutricionista ortomolecular e reside em Vancouver há mais de 4 anos.