Muitas pessoas experimentam em algum momento da vida a vontade de mudar para outro país, nem que seja por um tempo, para ter uma experiência diferente. O Canadá é sem dúvida um dos países mais cogitados por ser receptivo e por dar caminhos de imigração legal para profissionais qualificados.

Existem muitas formas de imigrar para o Canadá, mas hoje vamos falar de quatro:

  1. Express Entry
  2. Self-Employed
  3. Programas Provinciais
  4. Estudo

O primeiro e mais popular é o Express Entry, que é um sistema que engloba o Federal Skilled Worker (FSW), o Canadian Experience Class (CEC), o Federal Skilled Trades Program (FSTP) e alguns programas provinciais que estão ligados a ele.

Para entrar no Express Entry o candidato tem que ser elegível em um dos programas de imigração que estão no sistema, mas a elegibilidade não garante o convite para imigração. Todos que entram no Express Entry recebem uma pontuação de acordo com a idade, escolaridade, experiência profissional, nível de inglês entre outros fatores – essa pontuação é o Comprehensive Ranking System (CRS) – e as pessoas com maior pontuação recebem um convite para submeter a documentação, que é o “Invitation to Apply (ITA).

Se a documentação enviada estiver correta a pessoa recebe o visto de imigrante e pode mudar para o Canadá como residente permanente, o que significa ter o “Green Card do Canadá” que aqui se chama PR Card, Permanent Resident Card.

Outra forma de imigrar é através de um programa chamado Self-Employed.

Esse programa de imigração é para estrangeiros que tenham experiêndia relevante de pelo menos 2 anos nos últimos 5 anos em áreas de atividades culturais ou esportivas a nível mundial ou que tenham sido autônomos em áreas de atividades culturais ou esportivas.

Os candidatos desse processo devem demonstrar que querem ser autônomos no Canadá, que têm condições para isso e vão contribuir de alguma forma para a cultura e economia do país.

A pontuação mínima é de 35 pontos de um total de 100. Porém, mesmo que a pontuação seja alcançada, isso não garante que o aplicante será aprovado e vai receber a residência.

Os dois desafios desse programa são a avaliação subjetiva, na qual o oficial pode recusar a aplicação mesmo o aplicante alcançando a nota de corte, e o tempo de processamento do Self-employed, que está em torno de 2 anos.

É importante mencionar que Graphic Designers, Fotógrafos, Dançarinos, Músicos e Cantores estão na lista. Para a lista completa, por favor visitar o site do cic.

Com relação aos programas provinciais, a grande maioria deles é para candidatos que tenham uma oferta de emprego ou alguma ligação forte com a província. Isso inclui estudo, trabalho ou família.

Existem programas como o Human Capital Priorities Stream e o Skilled Workers Overseas de Manitoba que não exigem a oferta de trabalho e que merecem uma atenção especial.

O Human Capital Priorities Stream por exemplo é um programa da província de Ontario que convida candidatos do Express Entry com pontuação acima dos 400 pontos e as vezes até com menos de 400 como tem acontecido para profissionais de TI.

E para encerrar não podemos deixar de mencionar o estudo como forma de imigração.

Estudar no Canadá com certeza sai mais caro do que imigrar diretamente mas é uma boa opção para as pessoas que ainda não têm pontuação suficiente. Estudar e/ou trabalhar pode te dar acesso aos programas provinciais e aumentar os seus pontos para o Express Entry.

O grande desafio desse caminho é a aprovação do visto. Para não ter problemas você deve ter uma comprovação financeira acima do mínimo exigido e fortes vínculos com o seu país, o que inclui uma carreira estável, emprego e patrimônio.

Se você quiser saber mais sobre vistos e imigração para o Canadá entre em contato conosco pelo email info@gonorthsa.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *